Sobre

Comunicação


Sindicato dos Médicos realiza blitze da saúde na Região Metropolitana e municípios do Sul do estad
16/05/2020 - 12:31



Foto: SIMES

 

O Sindicato dos Médicos do Espírito Santo realizou esta semana as já tradicionais blitze na saúde, que consiste em visitas surpresas da diretoria da entidade às principais unidades de saúde e hospitais em todo o estado, sempre que uma crise ameaça a prestação dos serviços e a integridade dos profissionais da saúde.

Em meio à pandemia mundial pelo Covid-19 que ameaça a saúde de toda a raça humana, o nosso estado possui inúmeros problemas a serem solucionados pela gestão pública e pela gestão privada, a fim de garantir a saúde dos profissionais que cuidam da população doente.

A nossa principal causa, neste momento, é lutar pela segurança desses profissionais, uma vez que sem eles, não passaremos por este momento com os melhores resultados possíveis.

Os últimos dados do Painel Covid-19, divulgados pelo governo, mostram que até o último dia 14, um total de 729 profissionais da saúde capixaba testaram positivo. Desses, 191 estão curados.

Os números são alarmantes e, por isso, buscamos através das blitze levantar dados para serem entregues ao Ministério Público do Trabalho e apresentar a melhor transparência possível para a população.

As blitze surpresa aconteceram pela manhã, tarde, noite e até na madrugada nos últimos dois dias. Foram observadas a situação de médicos, enfermeiros e técnicos de enfermagem, além, é claro, do atendimento à população.

O presidente do Simes, Dr. Otto Baptista, ficou satisfeito com a preocupação dos gestores em entregar segurança para os profissionais e a transparência com os questionários feitos pelo Sindicato.

"Todos os hospitais e Pronto Atendimento que visitamos estão oferecendo todo o EPI necessário aos militares que precisam entrar na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) para acompanhar algum preso. Ficamos muito felizes com esse resultado", afirmou o presidente.

A fiscalização realizada nesses dois dias de blitze contemplou hospitais públicos, privados e unidades de pronto atendimento municipais. Foram vistoriadas unidades de saúde em toda a região metropolitana e em municípios do interior do estado.

"Há mais de 30 dias a nossa principal reivindicação foi a exigência do uso de EPIs, que agrega 5 itens: gorro, protetor ocular, máscaras, luvas e aventais, além, obviamente, do uso constante de álcool em gel", lembrou Otto.

Com a vistoria, o Sindicato encontrou profissionais médicos utilizando aquela roupa convencional de centro cirúrgico, que passa por um processo de lavagem e esterilização. Também testemunhamos fluxos de atendimento criados especificamente para prevenir o contato entre os pacientes e profissionais, o que é bastante positivo para a população.

As lutas dessa entidade estão surtindo efeito, porque uma grande vitória foi alcançada do ponto de vista da retaguarda de profissionais para essas unidades em meio à pandemia. Constatamos que os profissionais que estão na linha de frente estão amparados pela gestão quando testados positivos para coronavírus. Estes são afastados e existe uma retaguarda de 30% de profissionais que podem, imediatamente, substituir as escalas furadas.

POPULAÇÃO CARCERÁRIA

Realizamos um senso e, segundo os gestores, todo preso hospitalizado tem uma escolta armada da Polícia Militar, em que esses servidores não ficam nas dependências da UTI ou enfermaria, e somente são chamados quando há uma manipulação dos pacientes.

Dessa forma, o Policial Militar, todo paramentado, é solicitado para ir até o leito e liberar as algemas para o paciente ser submetido à avaliação, banho no leito ou até mesmo realização de exames específicos, garantindo toda a segurança para o profissional médico e aos enfermeiros.

CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM

O Simes constatou em Cachoeiro uma quantidade enorme de pacientes testados positivo para covid e que não foram remanejados em tempo hábil, portanto, é uma situação que muito nos preocupa.

Ainda, o município teve um aumento significativo da demanda, haja vista que pacientes oriundos de Marataízes e Presidente Kennedy, um dos municípios que vive um dos maiores problemas em relação ao coronavírus.

"A prefeitura providenciou a testagem de todo os trabalhadores da saúde, e foi diagnosticado um número elevado de casos positivos nos funcionários da Secretaria Municipal de Saúde em Presidente Kennedy", apontou o presidente Otto Baptista.

REPRESENTATIVIDADE

O advogado do Simes, Dr. Télvio Valim, acompanhou a diretoria do Simes em toda a ação e considera positivo não apenas os resultados colhidos pela entidade, mas a sua própria representação.

"A fiscalização promovida pelo Sindicato nos locais de trabalho dos médicos em busca de EPIs, é uma reivindicação que fazemos desde o início da crise decorrente da Pandemia, que inclusive levamos até o Governo do Estado, justamente para proteger o nosso médico representado e para a população que utiliza as unidades de saúde", lembrou Valim.

O esforço realizado neste sentido por parte dos gestores estaduais mostra que o Sindicato tem cumprido o seu papel na busca por melhores condições de trabalho para o profissional médico. "O Governo providenciou essas EPIs e isso diminuiu significativamente o número de profissionais da saúde infectados. É importante pontuar que o Governo do Estado também cumpriu o seu papel e não foi negligente com a saúde destes profissionais. Mas, caso o tomador de serviço em outras esferas venha negligenciar ao médico, ou aos demais trabalhadores da saúde, os Equipamentos de Proteção Individual, estes profissionais devem postular em juízo todo e qualquer dano causado pela desídia do empregador", reforçou Dr. Télvio.

Todo o resultado coletado pelo Sindicato dos Médicos do Espírito Santo através das blitze nas unidades de saúde serão entregues por meio de relatórios para o Ministério Público  do Trabalho do Espírito Santo e, posteriormente, informados à população por meio de nossos canais de comunicação e, é claro, pautados também à imprensa.