COMUNICAÇÃO

NOTÍCIAS


Simes reprova postura do vereador Leonil Dias contra a classe médica

04/12/2017 - 18:42


Vereador Leonil Dias (PPS) utiliza rede de comunicação para achincalhar classe médica e impulsionar sua carreira política. Ataques diretos à administração pública de saúde da capital e à classe foram médica apoiados por um programa que deveria prezar pela imparcialidade, porém, a reportagem buscou a todo momento transferir a responsabilidade da implementação de uma lei inacabada para cima dos médicos, mesmo com a constante negativa da Secretaria de Saúde de Vitória.
O Sindicato dos Médicos do Espírito Santo condena a postura do vereador Leonil Dias, assim como dos condutores de sua entrevista, ao vivo, para o programa Bom Dia ES, da TV Gazeta. A classe médica do município de Vitória apresenta números impecáveis, segundo a Secretaria de Saúde do Município, bem como a transparência deste setor.

Nada está sendo negligenciado ao usuário da saúde pública na capital. A busca incessante deste veículo de comunicação e do vereador contra a classe deve ser investigada, uma vez que fogem à imparcialidade que espera-se de ambas as partes. Um trabalho de saúde sério como o da capital e dos médicos que ali prestam serviços deveria ser reconhecido.

Cobramos que Leonil Dias apresente a denunciada "caixa preta da corrupção em Vitória", mencionada em outra oportunidade por ele próprio e que é o único motivo de nossa interpelação judicial contra este vereador, que, sequer atua em alguma Comissão de Saúde pela Câmara dos Vereadores de Vitória e, portanto, não possui experiência alguma em gestão de saúde pública. No que se refere ao posicionamento do Simes contra a Lei abordada na matéria é uma questão de sigilo, segurança e defesa aos médicos, que configura nosso dever enquanto entidade representativa desta classe.

O ano de 2017 já nos mostrou como pode ser perigosa uma exposição ao trabalhador médico e essa lei é um desserviço a qualquer tentativa de impedir que os profissionais não sofram atos de violência em seu local de trabalho.

Sabemos que cada município tem seus modelos de gestão, assim como sabemos que a Prefeitura de Vitória e sua Secretaria Municipal de Saúde possuem, quase na integralidade, profissionais em dia com sua carga horária, o que não justifica, de forma alguma, a exposição dos médicos em uma tela eletrônica como proposto na Lei.