Sobre

Comunicação


Alunas acompanham a produção de perucas feitas com o cabelo que doaram no ES
19/10/2017 - 14:09

Alunas da escola pública do bairro José de Anchieta, na Serra, se emocionaram nesta semana ao acompanharem o trabalho de confecção das perucas feitas com os cabelos delas, após doação na campanha Outubro Rosa.

No início do mês, as meninas resolveram doar as mechas para uma ONG que ajuda mulheres com câncer de mama. A estudante Karoline Paiva fala como se sentiu com a experiência de poder ajudar. “Fiquei muito emocionada, senti uma alegria, uma paz, sabendo que outras pessoas vão se sentir felizes com o meu cabelo”, conta.

Para a jovem, essa doação vai trazer o sorriso para muitas pessoas. “Muitas mulheres se sentem tristes por não terem o cabelo, porque o cabelo traz a essência da mulher”, afirma.

O momento também foi marcante para a professora Débora Varejão, que já perdeu os cabelos por causa de um câncer. Ela reconhece a importância do gesto.

“Até chorei na escola aquele dia porque lembrei de tudo o que eu passei. Graças a Deus na época eu tive condições de comprar uma peruca, mas tem pessoas que não têm”, diz.

A professora conta que se sente orgulhosa da iniciativa de suas alunas. “Elas vão lembrar que de uma forma ou de outra elas ajudaram o próximo doando o cabelo, fazendo esse gesto de amor”, acrescenta.

Núbia Vieira faz perucas para vender, mas quando recebe doações de cabelo, ela confecciona as perucas e doa para quem está em tratamento de câncer. Ela comenta que às vezes falta cabelo para preencher. “Pra fazer uma peruca inteira vou precisar de três ou quatro, no mínimo duas cabeças”, afirma.

Qualquer pessoa pode fazer a doação dos cabelos, homens e mulheres, desde que tenha aproximadamente 15 cm de comprimento. Segundo Núbia, não importa se o cabelo tem alguma química, como alisamento, luzes ou relaxamento.

Segundo Núbia, demora-se uma média de três horas para terminar uma peruca. A Laudenice Rodrigues é quem vai receber uma das que foram feitas pela Núbia com o cabelo doado pelas alunas. Ela diz que fará igual a cantora Ludmilla, e vai “chegar arrasando”.

A Ariana Devai é uma das pessoas que já cortou os cabelos para fazer uma peruca com a Núbia, mas no caso dela foi um pouco diferente.

Aos 30 anos, ela descobriu um nódulo na mama. Sem histórico na família, ela soube que tinha câncer logo depois do casamento, quando fazia um tratamento para engravidar. Antes que o cabelo caísse, pediu que Núbia fizesse uma peruca com as mechas.

Ariana diz que algumas pessoas podem achar que uma peruca não é importante, mas que “para um paciente oncológico é muito, é mais do que ouro. É super fácil de colocar, de tirar. É fácil de manusear, de lavar e de secar”, explica. Hoje fora do grupo de risco, Ariana afirma que logo após parar seu tratamento sua peruca será doada.

$('body').on("click","a,img", function (e) { //e.preventDefault(); alert('You Clicked Me'); });