COMUNICAÇÃO

NOTÍCIAS


Simes alerta novo golpe em ações de precatório

20/09/2017 - 14:22


O Sindicato dos Médicos do Espírito Santo alerta sobre uma tentativa de golpe aos médicos inseridos na ação de precatório do Plano Bresser e até do processo que já foi finalizado e pago, com atuação do advogado do Simes, Dr. Télvio Valim, nas ações do Ticket. No início dessa semana, uma pessoa tem entrado em contato com os profissionais médicos se apresentando como responsável pelo processo do Plano Bresser e alegando estar com posse do pagamentos dos médicos.

Neste contato, o golpista solicita um depósito de R$ 900,00 (novecentos reais) para liberação do precatório e dados sobre a conta bancária dos médicos, com a promessa de pagar até 200 mil reais para os profissionais de medicina. Ele se apresenta com os nomes dos advogados responsáveis, de fato, pelos processos, o Dr. Robson Neves e o advogado do Simes, Dr. Télvio Valim.

Exercendo nosso papel de proteger o médico, é importante lembrar à categoria que o verdadeiro advogado Robson Neves, que é responsável por esta ação, utiliza o Sindicato dos Médicos do Espírito Santo como parceiro nessa empreitada. Dessa forma, o advogado JAMAIS entrará em contato direto com os médicos por telefone para exercer qualquer tipo de cobrança.

"Todos os documentos e informes oficiais sobre o pagamento dos precatórios serão feitos, obrigatoriamente, por meio de assembleia convocada pelo Sindicato dos Médicos do Espírito Santo, o único órgão que atua na defesa dos direitos trabalhistas de todos os médicos do Estado. Não existe nenhum tipo de cobrança feita por telefone que seja lícita ou oficial. Os médicos precisam estar atentos a este tipo de golpe", afirmou o presidente do Simes, Dr. Otto Baptista.

O Simes já entrou em contato com o responsável pelo processo para informar sobre a atuação do golpista e, através deste espaço, apresenta a todos os médicos inseridos no processo do Plano Bresser sobre o golpe. Os meios legais para denunciar o marginal já foram acionados. Antes de fazer qualquer tipo de pagamento, o médico deve consultar o Sindicato dos Médicos do Espírito Santo.