Sobre

Comunicação


O desequilíbrio na vida pessoal e profissional do médico
31/01/2017 - 15:18


De acordo com a pesquisa realizada pela PEBmed, a maior parte dos médicos brasileiros acaba abrindo mão de outras atividades por causa da sobrecarga no local de trabalho.
 
Perguntamos aos nossos entrevistados “Como está sua relação de equilíbrio trabalho-vida?”. Dos 4 mil médicos que participaram da pesquisa, apenas 30% responderam que está “boa”. O resultado mostra um grave problema na vida do profissional de saúde: por causa da sobrecarga de trabalho, o médico acaba abrindo mão de sua vida pessoal.
 
E esse desequilíbrio já começa cedo, durante a residência.
 
“A excessiva jornada de trabalho leva o médico jovem a criar uma espécie de “mundo paralelo”. Como se, por algum momento, ele abrisse mão de sua vida social, dedicando-se quase que exclusivamente a sua formação. Relações conjugais, familiares, amigos e atividade física, por vezes, são deixados de lado”, explica o Dr. João Felipe Zanconato, presidente da Associação dos Médicos Residentes do Estado do Rio de Janeiro.
 
E para a maior parte dos médicos a pressão continua durante os anos que se seguem. Esse isolamento social, aliado à fadiga e privação do sono, criam um ambiente propício para alterações psicopatológicas e comportamentais, que variam desde um humor deprimido até a ideação suicida.
 
O que fazer?
 
Existem dois passos fundamentais para virar o jogo e viver uma vida melhor:
 
- Não ignore suas necessidades
 
 Como é muito fácil que as necessidades pessoais não programadas caiam no esquecimento, é importante programá-las em seu calendário, como qualquer outro compromisso. Pesquisadores aconselham a criação de um “calendário de vida”, para marcar encontros, happy hours e outros eventos pessoais.
 
- Estabeleça metas
 

"Eu vou pegar apenas mais um plantão extra (e não vários); não vou ficar virando a noite sempre que tenha que preparar uma apresentação – vou me programar, colocando metas para preparar esse trabalho. É importante também estabelecer relações estáveis com amigos, conjugues e família”, aconselha Dr. Henrique Cal, neurologista e coordenador do BeepSaúde.
 
É preciso que haja equilíbrio entre trabalho/vida e bem-estar.

Fonte: PEBMED

$('body').on("click","a,img", function (e) { //e.preventDefault(); alert('You Clicked Me'); });