Sobre

Comunicação


Remuneração de R$ 1,2 mil para médicos em Jaguaré irrita sindicato
13/01/2017 - 13:53

Samira Ferreira/Gazeta Online             Foto: Vitor Jubini

A Prefeitura de Jaguaré, no Norte do Estado, abriu processo seletivo simplificado para contratação de profissionais de várias áreas, inclusive na área da Saúde (veja o edital). O que chama a atenção é o salário oferecido para médico obstetra e médico clínico geral: R$ 1.214,60 para 20 horas semanais de trabalho.
 
Segundo o presidente da Federação Nacional dos Médicos (Fenam), Otto Baptista, que também é presidente do Sindicato dos Médicos do Espírito Santo (Simes), o piso para 20 horas semanais é de R$ 12.993. Ele considerou o salário oferecido pela Prefeitura de Jaguaré como imoral.
 
"Não vai dar ninguém. Um valor desses é imoral. Eu tenho certeza que o médico sabe escolher o melhor. Se é oferecido um salário de R$ 1.214, imagina as condições de trabalho e como essa população está sendo assistida", afirmou.
 
De acordo com o edital, que está publicado no site da Prefeitura de Jaguaré, são oferecidas 10 vagas para médico clínico geral e seis vagas para obstetra, mais cadastro de reserva. Otto afirmou que o sindicato vai entrar com uma ação para cassar o edital.
 
Outro ponto que chama a atenção é que o salário de R$ 1,2 mil é o mesmo para os demais cargos na área da Saúde: dentista; enfermeiro; fisioterapeuta; fonoaudiólogo; médico veterinário; e nutricionista. A exceção é para médico clínico geral da Estratégia Saúde da Família (ESF), cujo salário oferecido é de R$ 6.609,60 para uma jornada de trabalho de 40 horas semanais.
 
Otto observou que foi colocado um salário único para todos. Sobre o salário de R$ 6,6 mil, ele informou que "o Programa Saúde da Família tem recursos federais e o valor é diferenciado, assim como o Programa Mais Médicos".
 
O outro lado
 
Sobre o vencimento de R$ 1,2 mil, a advogada da Prefeitura de Jaguaré, Delciane Laquine de Ataíde, informou que é o vencimento básico e está no plano de cargos e salários e na legislação de contratação temporária do município.
 
"A prioridade do município é o pagamento em dia. Às vezes, você coloca um salário mais atrativo e não consegue pagar, como outros municípios", afirmou.

 

$('body').on("click","a,img", function (e) { //e.preventDefault(); alert('You Clicked Me'); });