Sobre

Comunicação


Fenam, UGT e Sindicatos de Minas discutem Confederação Nacional
12/12/2016 - 14:43

Foto: Fenam             Fonte: Camila Borges

A Federação Nacional dos Médicos se reuniu com o vice-presidente nacional da União Geral dos Trabalhadores (UGT) o Deputado Federal Ademir Camilo Prates Rodrigues, com representantes dos Sindicatos dos Médicos de Minas Gerais (SINMED-MG) e do Sindicato dos Médicos de Governador Valadares (SINMED-GV), para discutir questões de criação das Federações e Confederação Nacional dos Médicos.
 
Interessado em participar do projeto, o Sindicato dos Médicos de Minas Gerais também discutiu a possibilidade da integração de Minas a uma das Federações que serão criadas. Todos puderam opinar livremente e, foi decidido que o presidente do Sindicato de Minas levará para a sua direção informações mais aprofundadas sobre o projeto. Ao mesmo tempo, a Fenam está desenvolvendo em velocidade, o projeto de criação das Federações, que foi aprovado e homologado durante a reunião do Conselho de Representantes, em Natal, onde foram criadas a FIME e a FIBE, e aprovada a criação da Confederação. ''Este projeto é prioritário para qualquer diretoria. A reunião para discutir sobre a Confederação foi considerada muito proveitosa, o sentimento geral é que a Confederação Nacional dos Médicos é extremamente importante'', exaltou Otto Baptista, presidente da Fenam.
 
A Federação Interestadual Médica Brasileira (FIMB) é composta pelas cidades Caxias do Sul (RS), Friburgo (SP), ABC (SP), Londrina (PR) e Maranhão (MA).  A segunda entidade é a Federação Interestadual de Médicos (FIME), formada por Petrópolis (RJ), Campos dos Goytacazes (RJ), Governador Valadares (MG), Montes Claros (MG) e Niterói (RJ).
 
A Fenam está procurando ampliar o trabalho sindical no Brasil. Na estrutura sindical temos o sindicato local, a federação e a confederação. ''Pelo volume de demandas que a classe médica tem e o número de médicos no Brasil e a importância do assunto médico no âmbito nacional é necessário que o médico tenha uma representação direta dentro dos órgãos federais, nacionais e internacionais, sendo representado com o objetivo exclusivo de olhar para a classe médica e para a saúde do Brasil'', disse Adhemar Figueiredo, presidente do Sindicato dos Médicos de Governador Valadares.
 
Também participou da reunião o vice-presidente da União Geral dos Trabalhadores (UGT), o Deputado Federal Ademir Camilo Prates Rodrigues (PROS). O parlamentar é da região de Teófilo Otoni (MG), além de também ser sindicalista, médico e dirigente sindical, e exaltou a criação da confederação e estimulou todos a se agregarem ao projeto, dizendo que a categoria médica não pode abrir mão de um projeto como este. Durante toda a reunião defendeu a força da categoria médica e a necessidade de criar a confederação como uma coisa absolutamente prioritária, e que a UGT estaria pronta para ajudar no que fosse necessário. ''Nós apoiamos e vamos tentar fazer com que o mais breve possível a gente consiga tornar a Confederação Nacional dos Médicos uma grande realidade'', ressaltou o vice-presidente da UGT.
 
Além disso, Camilo pôde contribuir demonstrando para os colegas e presidentes, esta necessidade, vontade e entusiasmo em criar a confederação. ''Vejo que essa será uma grande oportunidade, a confederação não só é um símbolo que vai nos dar essa oportunidade, mas vai ser talvez o ponto de partida para que a gente possa unir um pouco mais a categoria. A gente que é da área percebe que os médicos precisam participar ativamente para que as políticas públicas da saúde aconteçam nesse país. É necessário que os colegas, sindicatos e federações entendam essa necessidade e oportunidade de criação da confederação'', disse Ademir Camilo.
 
O projeto da Confederação surgiu dentro da Fenam após o grande incentivo também de uma central, a Força Sindical, a qual hoje a instituição é filiada. No ato de aproximação com a Federação, enquanto se discutia sobre a Força Sindical, disse não entender porque a Fenam não tinha uma Confederação, que é o topo máximo da representação sindical.