Sobre

Comunicação


Simes se reúne com médicos da Santa Casa e Cre de Cachoeiro
31/10/2016 - 18:16

Foto: Simes

Cumprindo com a campanha do Dia do Médico, o Simes percorreu unidades básicas de saúde, urgência e emergência em alguns dos municípios mais atuantes deste segmento no Estado. Na última sexta-feira (28), O Sindicato dos Médicos do Espírito Santo esteve em Cachoeiro de Itapemirim, reunido com médicos do corpo clínico da Santa Casa de Misericórdia e do CRE de Cachoeiro, além de representantes do Ministério Público e da gestão da Santa Casa.

SANTA CASA
Os profissionais de medicina estão vivendo situação crítica, devido os constantes atrasos de salários, cirurgias e procedimentos suspensos, causados pelo subfinanciamento, principalmente, em relação ao contrato com a SESA, que está se aproximando do fim, em que os recursos do governo não são suficientes para o bom funcionamento do hospital.

A superintendente da Santa Casa, Nercedes Canal, aponta que o orçamento que a Santa Casa dispõe, pelo volume de atendimentos, é insuficiente para prestar um bom serviço de saúde à população. O advogado do Simes, Dr. Télvio Valim, acredita que a situação evidenciada pela superintendente é preocupante.

''A Santa Casa de Cachoeiro vive uma situação preocupante. A unidade tem sido penalizada com subfinanciamento, ou seja, verbas cada vez mais insuficientes para manter seu pleno funcionamento, o que tem comprometido a qualidade do atendimento, deixando os profissionais médicos sem condições de trabalho.'', afirmou o advogado do Simes, Dr. Télvio Valim.

CRE de Cachoeiro
O Simes completou sua jornada no sul do estado, em reunião com os médicos do CRE de Cachoeiro de Itapemirim. A pauta terá continuidade nos próximos dias com representações da SESA, com o Subsecretário de Estado da Saúde, Fabiano Marily e o Ministério Público do Trabalho. Contudo, deliberamos ainda a necessidade de adequação da estrutura do local de trabalho dos médicos.

Ainda, na presença do Dr. Cleto Vinícius, promotor que cuida dos casos de saúde de Cachoeiro, o presidente do Simes apontou que o que os médicos do CRE realmente querem é que o Governo do Estado dê condições de trabalho com dignidade para o médico, que, por vezes, não tem o material necessário para atendimento básico ou cirurgias.

''Conseguimos sensibilizar o promotor a respeito das condições de trabalho, além das exigências que são feitas pelo Ministério Público.

Apresentamos os modelos de contratação que são utilizados há duas décadas e nossa proposta de como regularizar essas contratações. Precisamos construir, juntos, alternativas de recursos para um hospital de tamanha importância para a Região Sul do Estado.'', finalizou o presidente do Simes, Dr. Otto Baptista.

$('body').on("click","a,img", function (e) { //e.preventDefault(); alert('You Clicked Me'); });