Sobre

Comunicação


Mães relatam superlotação e camas improvisadas em Hospital Infantil de Vila Velha
20/07/2016 - 17:03

Foto: Divulgação

Conforme noticiou o Gazeta Online, crianças doentes em camas improvisadas com cadeiras nos corredores, pais dormindo em bancos e enfermarias lotadas. Essa é a realidade do Hospital Infantil de Vila Velha (Himaba), segundo relatos de mães de pacientes.

Uma dessas mães, uma dona de casa de 37 anos, moradora do bairro Guaranhuns, postou um desabafo nas redes sociais na noite desta quinta-feira (14). A publicação teve mais de 600 reações no Facebook em menos de 14 horas. As fotos postadas por ela mostram as crianças nos corredores. A mãe desabafou dizendo que era inaceitável as condições do hospital.

''O País já não presta e o nosso estado menos ainda! Meu Deus do céu! É inaceitável a situação dessa gente! Corredor lotado de criança, os pais nas cadeiras, envergados, sem o mínimo de dignidade! Crianças doentes em camas improvisadas em cadeiras de espera da recepção, caminhas para bebês improvisadas em berços de aquecimento neo-natal'', relatou a mulher na legenda das fotos publicadas.

A dona de casa acompanhou o filho de 12 anos, que ficou internado de maneira improvisada na sala de um consultório, entre o último domingo e esta quinta-feira, tratando uma crise de asma crônica.

Ela disse, em entrevista ao Gazeta Online, que as enfermeiras da instituição trabalham emocionadas, procurando adequar as crianças nas salas e corredores do hospital. Apesar da revolta, a mãe destacou que os profissionais da instituição atendem bem os pacientes.

''Enfermeiras ficam arrumando um cantinho para cada um, com os olhos lacrimejando. Elas atendem muito bem. O que revolta é essa estrutura precária. Crianças com soro no corredor, bebês com infecção rara, que passam mais de 24 horas nessa situação. É lamentável. Cadê as autoridades que só investem em Copa do Mundo e Olimpíada'', reclamou a mulher, que pediu para não ser identificada.

Nas redes sociais, outros pais contaram que também sofrem com a superlotação no hospital. ''Os médicos são ótimos, mas a estrutura... Só Deus. Meu filho já ficou internado nesse hospital, é muito triste a situação'', disse uma mãe. ''É um drama'', diz diretora de hospital

A diretora-técnica do hospital, Eledir Andriolo Tesch confirmou a informação de superlotação e disse que a instituição enfrenta um drama. ''É um drama que sempre vivemos no período do inverno, quando aumenta a demanda por causa dos casos de bronquiolite que crescem'', lamentou Eledir.

De acordo com a diretora-técnica Eledir Andriolo, houve um aumento nos casos de doenças respiratórias no inverno, o que prejudica o atendimento no hospital.

''A gente tem vivido momentos tensos em razão da demanda grande por causa do período do inverno. A internação é mais frequente. Não posso criar uma enfermaria para essa sazonalidade específica. Temos feitos essas adaptações para atender a todos e não tem faltado atendimento'', explica ela.

A diretora alegou também que os pacientes ficam na situação descrita pelas mães durante um ''período curto'', que seria mais de 4 horas, e que a situação se agrava principalmente durante a madrugada.

"Nós da direção, médicas, que também são mães, estamos atentas a todas essa problemática. Concordamos com a queixa, mas pedimos paciência porque estamos fazendo dentro das possibilidades tudo que é possível, como aumentar o número de médicos para agilizar o atendimento", destacou a diretora.


$('body').on("click","a,img", function (e) { //e.preventDefault(); alert('You Clicked Me'); });